• Guilherme Cardoso

É o fim dos privilégios e das mordomias


Você sabia que há um projeto de lei no Congresso há muito tempo propondo acabar com o foro privilegiado de todos os políticos e que isso não acontece porque não há interesse dos deputados e senadores?

E não é só isso, não. Outro projeto que ainda não está no Congresso, mas que já deveria estar é uma lei acabando de vez com os privilégios e as mordomias da classe política, dos membros do Judiciário e da chamada Classe Especial de Funcionários Públicos.

Nos tempos que estamos vivendo e nos próximos tempos que estão chegando depois desta pandemia, não dá mais para o cidadão comum, aceitar tamanha desigualdade salarial e de benefícios entre cidadãos do mesmo país, que falam a mesma língua, e que popela Constituição Brasileira, deveriam ser tratados como iguais.

Diferenças salariais podem e devem existir em determinadas profissões e para determinados profissionais, tendo em vista a sua competência e suas habilidades profissionais. É assim que funciona o mercado de trabalho e o regime democrático.

O que não se pode aceitar é são as desigualdades atrônômicas entre a classe política, os membros do Judiciário e a Classe especial dos Funcionáriionáris Públicos. Enuqnato um trabalhador comum, mesmo qualificiado de uma empresa privada, ganha em média 5 mil reais, e um professor e um médico, para ganhar seus 10 mil reais precisam ter até 3 empregos, esses cidadãos tidos como especiais, lá no Congresso, no Judiciário e no Funcionalismo Público chegam a ganhar até 300 mil reais por mês entre salários, verbas e vantagens.

Isto é um absurdo que tem que acabar o mais rápido possível.

0 visualização