• Guilherme Cardoso

Agora, dou Conselhos Online.

#novo

De repente, resolvi juntar tudo o que já fiz em minha vida, até o momento. Decidi fazer um balanço existencial, reunir todas as minhas experiências ao longo de mais de meio século, pessoais e profissionais e assumir o que deveria fazer daqui pra frente.


Decidi transformar-me oficial e publicamente em algo que eu sempre pratiquei ao longo da vida e não dava importância. Ser Conselheiro Pessoal.


Dar conselhos e ajudar as pessoas a vencer obstáculos e alcançar objetivos na vida, eu sempre fiz desde os tempos de garoto, ainda no Grupo Escolar. Eu era o aluno mais procurado pelos colegas para estudar junto, brincar e sair para algum lugar. Tinha a confiança dos pais.

Na adolescência, viciado em cinema, ainda não havia televisão, todos os sábados era eu que reunia diversos adultos antes da sessão começar para relatar em detalhes todos os episódios da semana que eles não puderam ver. Isto se repetiu por anos no bairro Pompeia em Belo Horizonte.


Por ser comunicativo e brincalhão, eu tinha acesso livre à maioria das famílias do bairro, era sempre convidado para os bailes e festas, e solicitado a levar e trazer algumas mocinhas desacompanhadas.


Sem perceber, meus conselhos eram sempre pedidos e ajudavam pessoas em diversas situações. Com bons conselhos, ajudei vários amigos a se casarem, evitei brigas e separações, arranjei empregos, dei empregos a outros em meus negócios, mandei parente para o exterior, fui padrinho e convenci um noivo a subir no altar.


Trabalhei em diversas empresas, fui bancário por 17 anos, Jornalista, Publicitário, Assessor Pedagógico por seis, Gerente de Vendas por três e pequeno empresário por mais de 10 anos. Em todos esses locais, ora como empregado, ora como patrão, com conselhos, orientei moças, rapazes e adultos em suas dificuldades financeiras, amorosas e profissionais.


O mundo mudou, a tecnologia avançou, e muito. Houve um tempo em que as conversas aconteciam cara a cara, nos portões das casas, nos parques e jardins, nas mesas dos botecos, ao redor da mesa de jantar.


Hoje, com a violência em todos os cantos, a correria do dia, o vai e vem para a escola e o trabalho, o tempo que se perde no transporte coletivo, e a falta de paciência e disponibilidade para se praticar uma boa conversa, faz com que as pessoas se isolem, se fechem, se envolvam intensamente com o seu celular, com as redes sociais, mas se sintam sós, desamparadas, e entram em depressão.


Para ajudar essas pessoas, jovens, adultos e idosos, que embora envolvidos nas redes sociais, com um monte de seguidores online ainda se sentem inseguros, sozinhos, necessitados de uma palavra amiga, uma rápida conversa, um bom conselho, é que eu me tornei um Conselheiro Pessoal, também online.

24 visualizações