• Guilherme Cardoso

Bola fora do Bolsonaro


É, chegamos a 100 mil mortos pelo coronovírus. E não demorou muito não, seis meses apenas. É a maior tragédia humana ocorrida no Brasil em pouco tempo. Nunca se morreu tanta gente por uma só doença.

E no dia em que o país chora a perda de 100 mil pessoas, pais, mães filhos e avós, o nosso presidente da Republica posta uma mensagem nas Redes Sociais homenageando a Sociedade Esportiva Palmeiras pelo título de campeão paulista.

Nada contra o Palmeiras, afinal gosto muito de futebol, e meu time é o Galo.

Quanta falta de sensibilidade, quanta falta de solidariedade com as 100 mil famílias enlutadas e sofrendo com a dor da perda. E o nosso presidente, aquele que deveria ser o nosso comandante, o nosso guia, em quem pudéssemos confiar e seguir nesses momentos difícieis, dá um exemplo desse.

Será que são os jogadores do simpático clube paulista os grandes heróis do ano por terem ganhado um título de campeão de futebol em São Paulo? Que mensagem distorcida recebem nossas crianças, nossos jovens sem escolas nesse momento.

Será que um título de futebol é mais importante que demonstrar sua solidariedade, dar seus pêsames às famílias pela perda de seus entes queridos?

Será que os atletas de futebol tem mais importância nesse momento do que os atletas que jogam no time que defende vidas nos leitos dos hospitais?

Será que uma vitória de um time de futebol merece mais atenção que várias vitórias conseguidas pelos médicos e enfermeiros que salvam vidas todos os dias?

Pois é. Presidente Bolsonaro perdeu mais uma chance de fazer um gol de placa junto ao povo brasileiro.

0 visualização