• Guilherme Cardoso

Bolsonaro é denunciado por genocídio


Que coisa triste. A primeira vez que um presidente do Brasil é denunciado ao Tribunal Internacional de Haia, e por um motivo alarmante e desprezível que é o genocídio, ou seja, crime contra a humanidade. E olha que nem os governantes do Regime Militar no Brasil foram denunciados a este tribunal, apesar das centenas de mortes que aconteceram no Regime Militar que durou 20 anos.

E antes desta denúncia, o governo Bolsonaro já tinha sido alvo de outro processo de risco de genocídio contra a população indígena no Brasil.

Esta denúncia de agora é movida por um grupo de sindicatos e profissionais da Saúde que consideram que existe dolo e intenção na postura do presidente Bolsonaro, quando adota medidas contra a pandemia que ferem direitos humanos e desprotegem a população, incentivando as pessoas a se posicionarem contra os procedimentos da OMS e dos especialistas em Saúde.

Este documento de repúdio e condenação às atitudes do presidente Bolsonaro representa mais de um milhão de trabalhadores na Saúde no Brasil e tem apoio de diversas entidades internacionais.

Pode ser que não aconteça nenhuma condenação do Tribunal Internacional de Haia ao presidente Bolsonaro, mas com certeza, somente a notícia de que ele foi denunciado por desapreço aos Direitos Humanos já afeta a imagem do Brasil lá fora. E quie já não é muito boa, também pelos constantes desmatamentos na floresta amazônica.

É lamentável acontecimentos como esses, que além de nos expor ao rídiculo no exterior, dificultam em muito o nosso desenvolvimento econômico, pois com esse fatos e esses procedimentos inaceitáveis do presidente Bolsonaro, as empresas internacionais reduzem seus negócios com o Brasil e os investidores evitam de colocar dólares em nossas atividades.

É pena que além do desastre causado pela pandemia, ainda temos que conviver com atitudes impensadas do presidiente Bolsonaro e de denúncias a mais alta corte internacional, que em passa recente julgou criminosos de guerra nazistas, que mataram milhões de pessoas nos campos de concentração.

0 visualização