• Guilherme Cardoso

Como viver com a morte e ser feliz?


Só uma coisa é certa em nossa existência e não tem como a gente evitar. É a morte.


E quando a morte chega, não tem como correr. Ela vem e leva qualquer um. Seja rico, seja pobre, homem ou mulher, a morte sempre vem. Ainda bem...


Tem pessoas que são abençoadas, vivem muitos anos, com saúde ou sem saúde e morrem muito tarde. Oitenta, noventa, cem anos.


Outras pessoas, menos privilegiadas, vivem poucos anos, vão embora antes do combinado, como diz o Rolando Boldrin, apresentador de um programa caipira todos os domingos pela TV Cultura.


Muitos, morrem ainda crianças, muito jovens. Morrem pelos excessos do consumo ou pela violência que toma conta de cada esquina das nossas cidades.


Pior de tudo isso é que não conseguimos nos acostumar com a morte, embora ela esteja sempre ao nosso lado.


A cada dia, a cada hora, ontem, hoje amanhã, sempre haverá alguém morrendo por aí, em nosso bairro, em nossa cidade, em nossa família.


É o nosso melhor amigo que vai, o colega do tempo de escola ou o vizinho que você cumprimenta todos os dias. Felizmente, a morte é para todos. Ninguém fica pra semente.


Se a gente pensar bem, a morte é a coisa mais interessante e mais justa que acontece em nossa vida. Pode ser considerada até mais importante que o nascimento.


Veja bem: Com a tecnologia que temos hoje, o ato de nascer já não é algo fantástico, tão especial como anos atrás. O nascimento agora pode ser programado para o dia e a hora que se quiser, o sexo do bebê pode ser escolhido, e até a gravidez e a gestação pode ser evitada. Se não haver descuido.


Já com a morte é diferente. Com ela não tem como programar. Quando chega a hora, a morte vem e leva quem quer que seja. Criança, jovem, adulto ou velho. Seja rico ou seja pobre.


A morte é imprevisível, todos sabemos. Ela chega sem avisar, às vezes até manda recado.

A morte pode até ser protelada, empurrada um pouco pra frente, se o cidadão escolhido tiver muito dinheiro, puder pagar hospitais e médicos caros. E comprar todos os remédios.


Mas, uma hora a morte vem e esse cidadão vai embora, como eu e você.


Falo tudo isso sobre a morte, apenas para lembrar que com ela podemos tirar muitas lições e aproveitar melhor a vida, enquanto ainda estamos vivos.


Falar bem da morte parece discurso de filósofo, ou sermão de padre ou pastor, mas na verdade é só uma reflexão de quem quer passar uma mensagem positiva sobre algo tão triste.


Apesar do pavor que temos dela, precisamos pensar na morte sempre, especialmente para lembrar que estamos vivos e que devemos aproveitar mais e melhor o tempo que nos é dado para permanecer aqui neste mundo.


Não podemos esquecer que este nosso tempo aqui na terra, teve hora, dia e ano para começar, quando nascemos. Mas não tem dia nem hora, nem ano para terminar. Pode começar agora, com o nascimento de uma criança, e acabar minutos depois. Ou quem sabe, levar anos para chegar ao fim.


Se você neste momento, sente-se mal, depressivo, está em dificuldades profissionais, financeiras ou amorosas, não consegue enxergar nenhuma saída a sua frente, não vê uma luz no fim do túnel, acha que tudo está perdido, pare um pouco para refletir, para pensar na morte.


Não para ficar triste, desiludido, desesperado.


Pense agora na morte para você viver mais e melhor! Pense na morte para agradecer a vida.


Busque ter pensamentos positivos no lugar de ideias negativas. Tenha fé em um Ser Superior, seja Ele Deus, Buda, Alá ou Maomé.


Acredite em você e sua vida vai melhorar. É só querer.

3 visualizações