• Guilherme Cardoso

Contra o vírus fecha tudo


A covid 19, o Novo Coronavírus chegou há 4 meses no Brasil, já infectou mais de 1300 mil pessoas e matou mais de 50 mil. Diariamente tem morrido uma média de 1000 pessoas. É uma tragédia mundial sem precedentes na história moderna.

São muitos os contaminados e milhares os mortos, segundo os dados oficiais. Só não dizem quem são esses infectados e mortos, de qual classe social eles são. Certamente a maioria é da classe mais pobre, dos desemparados, daqueles que vivem nas favelas, nos aglomerados, onde falta tudo, desde o básico que são a água e o esgoto, passando pela falta de educação, saúde, segurança e especialmente trabalho.

Se aqueles que tem condições financeiras para se resguardar, ficar em casa, se isolar ou trabalhar à distância estão morrendo, imagine então quantos estão morrendo nas classes mais pobres e abandonadas do país?

Há quem diga que os números oficiais da pandemia podem ser multiplicados por 10 vezes, ou seja, o que agora são 1.milhão e duzentos mil contaminados, o total deve ser de uns 11, 12 milhões de infectados, e o de mortos, agora de 50 mil, podem já estar em 500 mil. É uma carnificina.

Enquanto isso, as autoridades públicas, os prefeitos e os governadores estão liberando as atividades comerciais, industriais e de serviços, justificando que as pessoas precisam sair de casa, tem que trabalhar, ganhar seu sustento e a economia necessita de voltar a funcionar. Esquecem de quantos vão morrer.

Não podemos esquecer que estamos vivendo um estado de guerra, tanto que já foi declarada a situação de calamidade pública no país .E como já vimos em filmes ou através da história, nas guerras, tudo para, nada funciona, as leis são suspensas, caem os direitos, eliminam-se as liberdades, as pessoas se escondem, buscam se proteger, enquanto os soldados vão pra linha de frente lutar.

A nossa guerra atual é contra o Novo coronavírus e tem que ser bem planejada e executada.. Como o vírus inimigo é mais forte que nossos exércitos, para não morrermos todos e perdermos a batalha, precisamos recuar, voltar às trincheiras, nos reorganizarmos, para então vencer o inimigo.

E como em uma guerra, as medidas têm que ser duras, radicais. Nesta luta contra a pandemia, e que nós brasileiros estamos perdendo, a única saída estratégica é o lockdown, o fechamento completo de todas as atividades. Funcionar mesmo, só as essenciais. Hospitais, farmácias e supermercados. Nada mais.

Esse abre e fecha das atividades não está adiantando nada. Pelo contrário, está facilitando o avanço da pandemia, pois a cada dia mais pessoas estão sendo contaminadas e morrendo. É só ver as estatísticas. E quem abre e fecha não está vendendo nada, e sim arranjando mais despesas.

Não precisa ser médico ou especialista em saúde para saber que para reduzir bastante as contaminações e mortes pelo coronavírus é necessário um isolamento total. Fora isso é fazer de conta.

Todos devem ficar em isolamento total, em casa. Quem pode, trabalhe remoto, e quem não pode e não tem recursos financeiros para se manter, como os 70 milhões descobertos pelo governo com a oferta do Auxílio Emergencial, esses devem continuar recebendo os 600 reais até o final do ano. E este fechamento completo deveria se estender até o fim do ano para dar resultados.

E vou mais longe. Como estamos em plena guerra e contra um inimigo invisível, e o país tem que ficar parado, como em parte já está há quatro meses, não adianta o Governo ficar prometendo empréstimos para as empresas, pois elas não conseguirão pagar depois, a não ser as grandes empresas.

O que o governo deveria fazer é baixar um decreto determinando que até o final da pandemia, quando as atividades voltarem ao normal, Seria uma pausa de pelo menos 6 meses, até o final do ano. Todas as dívidas pessoais e empresariais ficariam extintas, não apenas suspensas.. Quem hoje paga aluguel, não paga mais até o fim da pandemia. Quem tem a receber não recebe, as empresas não pagam salários aos seus funcionários, nem o os governos pagam aos servidores públicos mais que 2 mil reais mensais. Os impostos, taxas, contas de água e luz ficam extintas nesse período,, o país fica literalmente parado. Ninguém paga, ninguém recebe.

Ah, mas o país vai quebrar desse jeito, não pode ficar parado, sem receber impostos, a economia tem que se movimentar, o prejuízo vai ser grandioso. Sim, isso é verdade, ninguém nega, mas é preciso uma atitude radical e corajosa para se vencer a guerra.

Se ninguém está faturando, nem recebendo nada, não tem sentido se endividar mais recebendo empréstimos que vão ter que ser pagos tão logo as atividades voltem ao normal.

Não importa que as empresas vão quebrar, que as dívidas do tesouro brasileiro vão para o alto, que se emita mais dinheiro. A maioria das micro e pequenas empresas já quebraram. O que que é preciso neste momento, e tem que ser agora, é salvar vidas. Existindo vidas, há condições de recuperar as perdas materiais, recriar as empresas, refazer os negócios e reconstruir o Brasil. Sem essas vidas humanas que certamente se perderão com o covid, não só as famílias estarão destroçadas, como o país terá grandes dificuldades para se reerguer.

0 visualização