• Guilherme Cardoso

Não compre bicicleta.Ande a pé.


Não sou contra quem gosta de andar de bicicletas. Até acho que é uma atividade saudável, barata e que faz muito bem ao corpo e à mente.


Só não concordo é com essa ideia de querer transformar o uso de bicicletas como meio de transporte das pessoas nas grandes cidades, ao invés das autoridades melhorarem o Sistema de transporte coletivo, que é péssimo.


Em Belo Horizonte, por exemplo, uma cidade cheia de morros, ruas estreitas, não há a mínima condição de se usar a bicicleta para trechos longos, a não ser na Via Expressa, e correndo muito risco.

Outro impedimento é o nosso clima, muito sol e calor quase o ano todo, o que torna as pedaladas de bicicletas uma atividade de muito esforço e cansativa.

Quer um conselho?


Como diversão e prática esportiva, tudo bem, o cansaço e o suor são necessários.

Agora, imagine um sujeito que trabalha no comércio, vendedor de uma loja, ou um bancário, que precisa estar vestido no trabalho, decidir vir de bicicleta do seu bairro até o centro da cidade ou algum shopping.


Imagine que você é esse trabalhador, que precisa de pedalar uns 20 quilômetros para chegar ao trabalho, roupa limpinha, às vezes até de gravata e paletó. Circulando por entre carros e ruas esburacadas, muita poluição dos veículos e ônibus, risco de atropelar e ser atropelado, com certeza você vai chegar ao trabalho, cansado, todo suado e sujo, se não for parar em um hospital.


E se chegar vivo ao trabalho, qual loja oferece e permite que você tome banho e troque de roupa antes de iniciar o serviço? São poucas, ou quase nenhuma.


Andar de bicicleta em BH e na maioria das grandes cidades brasileiras, com o trânsito maluco, tem que ser encarado apenas como uma prática esportiva, um exercício físico. Como meio de transporte, só profissões especiais em que o cidadão não precisa se apresentar de corpo e trajes limpos.


Não adianta a gente querer copiar o costume de muitas cidades europeias ou nos Estados Unidos. Lá eles tem um trânsito organizado, ruas e avenidas largas, topografia plana e povo educado que respeita quem anda a pé ou de bicicleta.


Acho correto que as pessoas cobrem dos governos a construção de ciclovias para os ciclistas, afinal todos tem o direito de se movimentar como quiserem, a pé, de carro ou de bicicleta. Mas, somos obrigados a reconhecer que nossas cidades não foram planejadas para motos e bicicletas nas ruas, competindo com os carros e caminhões. E Belo Horizonte é um exemplo disso.


O que precisamos mesmo, e temos que cobrar das autoridades, é a ampliação do meios de transporte público, como metrô, trens e ônibus de qualidade nas ruas.


Quer um conselho duro, mas sincero?


Não compre uma bicicleta! Ande a pé!


Comprar uma bicicleta, ou mesmo uma moto e sair pelas ruas da cidade, é muito bonito, os amigos vão achar bacana, mas, é comprar briga com o perigo, é querer morar um tempo no hospital. Se o seu dinheiro está curto, a situação está difícil, é preferível ir do seu bairro ao centro da cidade a pé, do que correr tanto risco.

0 visualização