• Guilherme Cardoso

Por que desmanchar hospitais de campanha?


Olha aqui. Alguém já parou para pensar e mesmo denunciar o porque dos desmanches dos hospitais de campanha, construídos a toque de caixa pelos governantes do nosso país?

Serpa que ninguém vai reclamar, dar o grito sobre esse negócio de gastar milhões de reais para construir hospitais de campanha para depois desmancha-los simplesmente, é algo que beira o absurdo.

Veja só. Num país que mesmo antes da pandemia já era carente de hospitais, especialmente do SUS, de repente aparecem as verbas, constroem-se várias tendas de lona, parecidas com os velhos circos, rapidamente são colocados os equipamentos médicos necessários, a maioria fica parado, sem uso, não chegam os respiradores para a covid 19, transformam-se em um elefante branco à espera do momento mais grave para entrar em ação.

O mais triste, o mais absurdo é que, terminada esta pandemia, acreditamos no primeiro semestre do ano que vem, os grandiosos hospitais de campanha serão desmanchados e os equipamentos ainda novinhos, pouco uso, vão virar sucata nos depósitos públicos de nossas cidades.

Felizmente, alguns desses hospitais emergenciais, construídos a peso de ouro, sem licitação e com desvios de verbas foram denunciados e investigados pelo Ministério Público. E, com a mesma rapidez que foram erguidos já estão sendo demolidos em vários estados, como os do Rio de Janeiro e São Paulo que sequer foram usados. O de Belo Horizonte está equipado e fechado há 4 meses e custou um bom dinheiro.

A pergunta que se faz nesse momento é por que esses hospitais de campanha não foram construídos em áreas pertencentes aos governos municipais, estaduais ou federal, mesmo fora do centro das capitais, para depois desta pandemia continuarem sendo usados pelos milhões de brasileiros carentes de atendimento médico?

Quantos leitos médicos vão ser descartados, jogados no lixo com a desativação desses hospitais? Só o de Belo Horizonte tem a capacidade de abrigar 800 doentes, e simplesmente vai ser jogado no chão. É inexplicável e inaceitável o mau uso do dinheiro público, o dinheiro dos impostos que pagamos.

Já que fizeram a besteira de construir esses hospitais em locais indevidos, como o maracanã no Rio de Janeiro, o Parque do Ibirapuera em São Paulo e o Expominas em Belo Horizonte, por que não reconheçam os erros e ao invés de simplesmente desmontar esses hospitais, por que não transporta-los para cidades vizinhas das regiões metropolitanas, normalmente as mais carentes de hospitais?

Se já existem as estruturas, mesmo de lonas, e os equipamentos ainda novinhos, e se já gastaram milhões sem licitações, vamos gastar mais um pouco e dar uso constante a esses hospitais de campanha para aqueles que realmente necessitam.

É o mínimo que o dinheiro público e os milhões de brasileiros merecem e esperam dos nossos democráticos governantes.

0 visualização