• Guilherme Cardoso

Que bom. o povo de volta às ruas


Ah, que bom. Eu estou vendo as pessoas voltando pras ruas.Não porque as autoridades sanitárias liberaram a população para sair da quarentena, voltar a trabalhar, passear, se divertir. Nada disso! Temos que continuar ficando em casa, recolhidos, se protegendo. A pandemia do coronavírus continua firme entre nós, infectando milhares de pessoas, matando outros milhares, e os hospitais continuam sem leitos e UTIs para atender os doentes.

O pessoal que vejo nas ruas desde ontem, principalmente em São Paulo, são cidadãos revoltados, indignados com a situação política e econômica do Brasil. E não vejo bandeiras de partido algum. É algo muito parecido com as manifestações espontâneas de 2013. Só que estas manifestações de agora, vem no mesmo sentido que os protestos nos Estados Unidos, iniciados após a morte do negro George Floyd pelo policial branco.

Lá, nos Estados Unidos, os manifestantes, a maioria jovem e pobre, está nas ruas principalmente contra o governo atual e buscando provocar mudanças radicais no Sistema Político americano, pretendendo mudar a democracia voltada para os políticos, ricos e poderosos.

E já era tempo disso acontecer. Infelizmente, essa tal democracia, tão falada e admirada por todos como sendo o melhor regime político do mundo, e é, os outros são piores, precisa sofrer transformações urgentes.

E pelo que se vê, também aqui no Brasil os manifestantes, agora poucos e localizados em São Paulo, devem se espalhar pelas capitais dos demais estados brasileiros.

Já passou da hora do povo reagir a esta política suja, cheia de interesses pessoais e de quem está no poder e dele não quer sair.E o momento nosso é propício para se provocar mudanças imediatas e sem violência no nosso Sistema Político, Econômico e Social. Está na hora de repensarmos a necessidade do povo ter de pagar os custos de tantos políticos, que sejam vereadores, deputados e senadores. Afinal, com tanta tecnologia disponível, é de se perguntar para que precisamos de vereadores, por exemplo? As cidades precisam apenas de bons gestores, um prefeito e alguns secretários e mais nada para funcionar. As reivindicações populares, os melhoramentos necessários nas ruas e nos bairros podem ser facilmente pedidos pela internet, protocolados e cobrados dos responsáveis. Faltou água na sua casa ou o cano estouro na rua, é só ligar ou enviar uma mensagem a companhia de abastecimento pra ela resolver. Se for energia elétrica a mesma coisa.

Se pensarmos com clareza, vamos concluir que na verdade não precisamos da maioria dos políticos brasileiros, que hoje ocupam as câmaras municipais, as assembleias estaduais e o congresso nacional. E ganhando altos salários e desviando bilhões dos nossos impostos.

Não precisa ser médico ou cientista para saber que o mundo de ontem, que está parado e quase quebrado não será o mesmo de amanhã, do ano que vem. Muita coisa vai mudar e como sempre o povo, e os mais necessitados é que vão sofrer mais. A busca da recuperação financeira dos países vai demorar e a nossa vida de trabalhadores e dependentes das iniciativas governamentais vai ficar para depois, ou seja para daqui muitos anos, ou para o nunca.

O povo brasileiro, e é a maioria, não pode mais aceitar que um pequeno grupo de seguidores e fanáticos do governo Bolsonaro cometa essas séries de atentados pessoais e online aos pilares da democracia como o STF e Congresso Nacional. É certo que esses órgãos precisam urgentemente de mudanças em suas formas de escolhas, no caso dos juízes do STF e no fim das mordomias e altos salários das duas casas. Na miséria que o país está e vai ficar, privilégios de nenhuma categoria pode mais ser aceita. É preciso justiça social e diminuição das enormes desigualdades.

Eu já pedia e previa que essas manifestações de agora teriam que acontecer em meu livro O Poder Mágico da Mobilização publicado em 2014.

Que se mostre bem claro que essas manifestações de agora e as que vão surgir não são contra o confinamento e o combate a pandemia do coronavírus. Esta batalha ainda não está vencida. A luta a ser realizada e que deve ser apoiada por todos os brasileiros é pela mudança radical do Sistema Político, Econômico e Social do país, visando uma maior atenção às camadas da população abandonadas. Desempregadas, sem educação, sem saúde e sem segurança. E não são poucos os brasileiros que vivem nesta situação.A simples oferta do Auxílio Emergencial do governo, mostrou que são mais de 70 milhões os brasileiros em busca dessa ajuda de 600,00. Isso sem contar aqueles que estão desempregados temporariamente, recebendo parte dos salários em casa. É muito gente na miséria no Brasil.

Chega do povo ter que aceitar os mandos e desmandos deste governo fascista, militarizado e totalitário.

É por isso que estas manifestações espontâneas e civilizadas, sem quebradeira são bem vindas. Chega de partidos políticos, políticos e autoridades que não nos representam. A luta tem que ser pela mudança das regras da democracia, para que ela deixe de ser usada para servir a classe polít6ica e os ricos e poderosos, sem uma distribuição justa da riqueza entre toda a população.

0 visualização