• Guilherme Cardoso

Você se lembra da Casa Ranieri?


Era uma loja de produtos esportivos que ficava ali na Rua dos Caetés,número 331 ao lado de onde era o INSS, prédio agora abandonado e invadido pelos sem casas.

Embora atleticano da Velha Guarda, pelo pouco que li e ouvi da história do Cruzeiro, um dos fundadores do clube em 02 de janeiro de 1921, ainda Palestra Itália era o Giovanni Ranieri, também chamado de João Ranieri, dono da Casa Ranieri.

Não sei o ano exato que a Casa Ranieri fechou as portas, mas enquanto a agência do Banco que eu trabalhava era na Rua dos Caetés, 355, ano 1970, eu era cliente e muito amigo do pessoal da loja e conversava bastante com a viúva do Giovanni Ranieri.

Todos os artigos esportivos, como calções, meias, chuteiras e os tênis e quedis eu comprava ali.

Em Belo Horizonte havia poucas lojas de artigos esportivos. Além da Casa Ranieri, havia a Stadium na Rua dos Caetés, 236, também do Giovanni Ranieri. A outra loja concorrente era a Superball, se me lembro na Rua Rio de Janeiro.

O subgerente do Banco que eu trabalhava, o Oswaldo Stheling, fez algumas propagandas na época para a Casa Ranieri, muito engraçadas e que fizeram sucesso e eram exibidas pela TV Itacolomi, TV Belo Horizonte, depois TV Globo.

A propaganda era com o Oswaldo Stheling e um funcionário negro da Casa Ranieri, com este jogando um monte de sapatos, tênis e quédiz em cima do Stheling e este caído ao chão dizendo “tênis,quédiz, tênis, quédiz”.

Para quem não sabe e não é daquela época, Quedis era um modelo mais barato, mais simples do calçado Tênis.

Até os anos 70, tênis era um calçado usado unicamente para a prática de esportes, especialmente o futebol de salão. E já era caro.

Por causa do preço, quem tinha menos recursos financeiros, e queria jogar futebol de salão, comprava era um Quedis.

Isto são histórias verdadeiras, são casos e causos de tempos que não voltam mais.

Tenha um bom dia e um bom domingo.

0 visualização0 comentário